Causa e Efeito : Quem será o nosso adulto daqui a 10 anos?



Esse texto foi escrito em parceria com a neuropsicóloga Marcia Ferreira.
 
Quem será o nosso adulto daqui a 10 anos ? É hoje uma criança perversa, sem empatia e  sem respeito por seus pares?

Resolvemos escrever sobre esse tema, por estarmos chocadas com o volume de crianças buscando atendimento psicológico ou psiquiátrico, vítimas da perversidade dos colegas de classe. Geralmente somos procuradas por pais de meninas, entre 6 e 9 anos. Primeiro é feita uma anamnese com os pais, sem a presença da criança. No campo da queixa principal, sempre os mesmos sintomas: autoestima baixa, insegurança, medos, apatia, daí finalmente a criança começa criar desculpas para não ir à escola.

Quando avaliamos a criança, ela relata fatos dolorosos. Conta como é xingada, excluída e anulada pelas coleguinhas de turma. Os efeitos psicológicos na vida dessa criança "vítima" são imensuráveis.

Me pergunto: quem será e como será essa criança agressora quando chegar na fase adulta? Onde estão hoje os seus pais, que não percebem esse comportamento nocivo?

Não vamos falar de “bullying”, até porque esse tipo de comportamento sempre existiu. Inclusive na nossa época escolar. O que nos chama atenção é que esse comportamento era comum nas escolas públicas e mais populares, hoje nosso público no consultório é formado pelas escolas de “Elite” , das escolas “caras” e que melhor preparam para o ENEN.

Então voltamos a questionar: O que está acontecendo? Como serão nossos futuros adultos? Sem amor ao próximo, sem respeito às diferenças e se achando acima de todos? Serão esses os nossos príncipes e princesas de hoje, os quais seus pais terceirizam seus cuidados para as babás, escolas e centros de atividades esportivas?

Convivam com seus filhos, para que possamos ter adultos melhores. Talvez nós estejamos criando indivíduos que no futuro serão como as pessoas de hoje que julgamos e criticamos.

Comentários

  1. Medo. ....
    Medo dessas crianças. . As quais os pais pouco se importam. .. pagam uma fortuna pelo ensino mas não dão educação

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Alceu. Talvez pela falta de tempo muitos pais têm negligenciado muito na educação dos filhos. Educar dá trabalho.
      Quando um pai não questiona o filho quando aparece com um material que não é dele ou aceita a historinha de seu filho, ele está acobertando um erro. Com isso, reforça o comportamento inadequado de seu filho que refletirá em diferentes esfera de sua vida.

      Excluir
  2. Não sei se entendi errado mas,educação se dá em casa. Foi isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está perfeita a sua colocação, Robert. Os pais têm a responsabilidade de educar os seus filhos. A escola é um parceiro, um complemento da base que está se recebendo em casa.

      Excluir
  3. Realmente dá muito trabalho... às vezes me vejo perdida me perguntando se estou no caminho certo. Orientamos, discutimos e em determinado momento estão novamente caindo no erro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. È comum se sentir meio perdido na educação dos filhos. Por isso, é importante sempre estar refletindo sobre o comportamento e ensinamento do dia a dia dos filhos.

      Excluir
  4. Já presenciei falta de educação simplesmente por país que não querem dar limites por dar trabalho. O que acontece é que a rebeldia aumenta a cada dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria Lúcia, educar dá trabalho. Mas os pais não perceberam ainda que é muito melhor educar quando pequeno. Se poupar trabalho no início do processo de formação da criança, será muito mais trabalhoso na adolescência e vida adulta jovem.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas